SINOPSE:
“A Fantástica História de Dona Baratinha no Oco da Figueira” é a tradicional história do “Casamento de D. Baratinha” revisitada uma ótica contemporânea, onde se enfoca as possibilidades de escolhas valorizando suas diferenças. Nesse reconto teatral estabeleceu-se uma relação entre a história de “Dona Baratinha” e a Fábula “A Cigarra e a Formiga

O AUTOR:
O Autor Edgar Rizzo é o fundador do Grupo. Formado em Teatro, Pedagogia e Orientação Educacional, sempre se utilizou das artes cênicas no desenvolvimento da sociabilidade, cidadania, afetividade, criatividade e do espírito crítico de seus alunos e espectadores. Escreveu vários textos para teatro, adaptação e direção de “O Menino Maluquinho” e foi indicado para o prêmio “Molière” de teatro infantil em 1990 com a direção do “Cavalo Transparente”.

A MONTAGEM:
A Montagem da “Fantástica História de Dona Baratinha” segue a linha adotada pelo Grupo desde sua fundação, isto é, a linha da simplicidade e criatividade dando ênfase ao trabalho do ator, trabalhando sua emoção, buscando uma linguagem artística universal, mas própria, utilizando-se da música especialmente composta para o espetáculo, valorizando o folclore e as cantigas de roda, trabalhando a expressão corporal e a mímica como fundamental para a plasticidade. Há também o uso de figurinos e adereços de espuma, que usados com muita graça, despertarão a fantasia do espectador.

CONTEÚDOS PEDAGÓGICOS:
1 – Justiça. A peça termina com um final feliz, onde o Noivo de Dona Baratinha, sugere que se faça justiça e diz que “Dinheiro se ganha com o trabalho honesto”. Esta é uma reflexão pertinente e que pode ser feita em todos os níveis escolares, simulando-se dramatizações que reforcem critérios de punição e de justiça. A premiação e a punição estão muito esquecidas hoje.


2 – Respeito à Individualidade. Embora tenha suas próprias preferências a Baratinha não despreza os animais pretendentes, respeitando-os.

3 – A importância dos insetos. Para haver um equilíbrio ecológico é preciso que se respeite a natureza. A barata existe porque exerce uma função, assim como os ratos, os escorpiões, etc.

As músicas, compostas especialmente para o espetáculo, criam uma atmosfera especial para que os personagens tenham vida e cada cena tenha um ritmo adequado, alegre, despertando assim,o interesse e participação das crianças.

A cenografia, por sua vez, é harmoniosa, combinando figurinos, objetos cênicos, adereços e bonecos de espuma, completando assim a magia do espetáculo.


FICHA TÉCNICA

"DONA BARATINHA"
Adaptação e Direção:
Edgar Rizzo

Musicas:
João Paulo Maradei

Cenário e figurinos:
José Roveratto / Mário Ricardo

ELENCO:
Carolina Góes, Fabiana Rinaldi, Jean Ferreira,William Rodrigues,Angela Azevedo,Bruna Picolli, Andre Macedo, Christian Schlosser.

Realização
Grupo Téspis


<< Voltar para página inicial